Você alguma vez já parou para pensar que “o instinto sexual, para coroar-se com as glórias do êxtase, há que dobrar-se aos imperativos da responsabilidade, às exigências da disciplina, aos ditames da renúncia?”.

            Com essa belíssima citação registrada por André Luiz na palestra em que este se encontrava presente juntamente com o instrutor Calderaro, damos continuidade ao tema registrado no livro “No Mundo Maior”, no seu capítulo 11, intitulado “Sexo”, pela sensibilidade psicográfica do médium Chico Xavier. Muita coisa há que se falar. O instinto sexual também evolui juntamente com o espírito ao seu comando. As glórias do êxtase se fará mais proeminente quando o homem assumir os desequilíbrios que o demovem à primitividade e assegurar melhor receptividade com as Falanges de Luz elevando o seu pensamento às regiões mais elevadas daquelas em que se encontra, hoje, mergulhados em profundo magnetismo destruidor.

            As responsabilidades do casal são inerentes à sua real privacidade em que comungam respeito, consideração, fidelidade, amizade, espiritualidade, congraçamento de princípios morais, compreensão das dificuldades de um e outro, participação mais direta de inspirações que os levem a cumplicidade de direitos e deveres divinos.

            A disciplina também reina incólume nos lares. Em toda parte, como em todo lugar sem disciplina, existirá conturbação de ideais mais sublimes. Não é questão de religiosidade, mas sim de transparência no trato de questões com o tempo-espaço em que situam seus corpos físicos. O tempo é fator imponderável de sucesso ou de fracasso. O primeiro se vinga pelos imperativos da obediência às Leis Divinas enquanto que o segundo, se verga nos açoites da ignorância em que todo tipo e qualquer incentivo às vontades exacerbadas sempre levam casais a conflitos onde reina todo vício em potencial.

            Todo relacionamento afetivo se congrega na renúncia entre os pares. O matrimônio, por si só, demanda tal virtude onde tanto o homem quanto a mulher perde cinquenta por cento – ou mais – da sua liberdade para doar-se integralmente aos ditames da família organizada.

            Sem, portanto, responsabilidade, disciplina, renúncia e religiosidade, todo casal ficará desguarnecido das luzes do equilíbrio e do respeito. E sem luz da compreensão e do zelo, todo lar ficará também sujeito às sombras do mal que, sem pedir licença, alavancará todo ideal em que se alicerçou o amor imaginado, mas sob o tsunami inexorável das paixões avassaladoras. Comigo, Leitor Amigo? (Continua…)

Ari Rangel Aécio Emmanuel César
Médium de psicografia desde 1990, tarefeiro espírita na cidade de Sete Lagoas/MG.

 

1 Comentário

  • Como é complicado o relacionamento a dois , gostos e pendores. Faltam-nos a responsabilidade do tempo que mostra a necessidade de não abandonar o compromisso legitimo. Seremos convidados a aventurar em vôos mais altos … da ilusão. Vigiemos a nossa conduta e a vida a dois . A missão ja a recebemos basta-nos sermos firmes na tempestade das emoções que prejudica a caminhada . Uma atirude errada e a consciência cobrará em seu tempo abil ,men mais nem menos . Busquemos evoluir ajudando ao outro evoluir, no amor fraterno.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share via
Send this to a friend