Em nossa última página, argumentamos sobre o cuidado que devemos ter quando nos comunicamos pela Internet. Apesar de a maioria dos usuários que se comunicam por intermédio desses meios sociais não terem comprometimento com a gramática, podem comprometer-se contagiando o público-alvo.

Em contrapartida, as redes sociais abrem-nos um amplo leque de fontes de conhecimento e realizam um papel interessante de comunicação virtual – mesmo em linguagem informal (não culta) -, que, antes, as pessoas não tinham o hábito de escrever e ler diariamente.

Nossos antepassados latinos, povo este que deu origem à nossa Língua Materna, – pois 80% de nosso léxico deriva do latim -, diziam-nos: “errare humanum est; sed permanere in errore caducum est” = errar é humano; porém, permanecer no erro é tolice.

Valendo-nos dessa conscientização, toda tentativa é-nos válida para evitarmos os erros de Português, senão todos, pelo menos os que mais nos saltam aos olhos, e que constituem um entrave à nossa comunicação, podendo, outrossim, tornar a mensagem pouco compreensível em alguns casos.

Listemos, abaixo, os erros mais comuns pela internet, e que tiram, também,  pontos no ENEM. Apresentaremos sua forma correta, para, doravante, podermos retê-los e escrevê-los facilmente:

  1. A gente (e não “agente”). A gente = nós; agente = agente secreto.
  2. Eu faço, com “ç” (e não “fasso”), que inexiste na Língua.
  3. Aqui, com “qu” (e não “aki”), que inexiste na Língua.
  4. Mais, com “i” = quantidade; mas, sem o “i” = conjunção, indicando oposição.
  5. Abençoe, sem o “~” (til) no “o” em todas as suas flexões na conjugação.
  6. Com certeza, em duas palavras (e não “concerteza”), que inexiste na Língua.
  7. Ajuda-me (e não “mim ajuda”). Aqui, as pessoas cometem dois erros: na grafia do pronome “me” e na sua colocação. O correto: ajuda-me (ênclise).
  8. Menos (e não “menas”, que inexiste). Menos é advérbio e não sofre flexão.
  9. Meio, sendo advérbio, é invariável e significa “um pouco”: ela está meio alegre (e não “meia” alegre); eles estão meio alegres (e não “meios” alegres).
  10. Em baixo = oposto de alto: em baixo nível; Embaixo = sob: embaixo do pé. (Continua no próximo bloco)

Reflexão – assista, no youtube, à palestra “Divaldo Franco Fala sobre o Coronavírus“. Divaldo (93 anos) é médium, filantropo e renomado orador espírita. Em, apenas, 2:48min, Divaldo, sempre muito ético, lógico e inteligente, esclarece-nos de forma serena, confortadora e pacífica em favor de nosso bem-estar nesta pandemia. Continuemos vibrando no amor, tendo a certeza de que Deus está sempre no comando, e o mundo retornará bem melhor do que era.

2 Comentários

  • Prezado professor

    Após dois pontos não se escreve ou não se inicia o período com letra minúscula?
    O senhor, estranhamente, inicia com letras maiúsculas. Por quê?
    Peço-lhe que me dê resposta!
    Grato!
    Gilberto Pinheiro

  • Antonio Nazareno Favarin
    07:39 (há 57 minutos)
    para [email protected]

    Olá, caro Gilberto, bom dia.
    Em resposta à sua dúvida, dizemos-lhe que após dois pontos, devemos, sim, grafar as palavras com letras minúsculas, salvo se elas não forem comuns; pois os nomes próprios devem, sempre, ser escritos com letras maiúsculas, em quaisquer circunstâncias: no meio de textos, após dois pontos etc.
    No caso do II bloco sobre a matéria: “minimizar erros nas redes sociais”, foi exposta, sim, uma série de itens grafados com as iniciais maiúsculas após os dois pontos; porém, isso foi proposital para dar mais ênfase às próprias palavras que se iniciam após uma numeração, porém, poderiam, sim, também, serem grafadas, nesses casos, com letras iniciais minúsculas.
    Um abraço.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share via
Send this to a friend